Por que somos católicos?

Porque:

  • Primeiro, existe um Deus;
  • segundo, a alma do homem é imortal;
  • terceiro, todos os homens são obrigados a praticar a religião;
  • quarto, a religião que Deus revelou por meio de Cristo é digna de crença;
  • quinto, Cristo estabeleceu uma Igreja a qual todos são obrigados a se juntar;
  • sexto, a única verdadeira Igreja de Cristo é a Igreja Católica. (Catecismo de Baltimore nº2)

Somos católicos, entre outras coisas, por acreditar na VERDADE dessas sentenças, por acreditar que a razão pode demonstrar que essas sentenças são verdadeiras.

Até o Concílio Vaticano II a Igreja Católica sempre se afirmou como única religião pela qual os homens podem ser salvos, conforme os termos do mandato de Jesus Cristo quando subiu ao céu.

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.”

Portanto, é necessário que todos os homens se tornem católicos.

Mas se é assim, como pode ser que as ‘autoridades oficiais’ da Igreja hoje tenham dificuldade até mesmo de afirmar essa necessidade de todos os homens serem católicos para salvar suas almas?

Estamos diante de uma situação onde os homens que teriam autoridade na Igreja parecem ensinar erros e impor disciplinas e leis nocivas. Essa é a chamada “questão da autoridade”, que parece apresentar um dilema.

A razão e os testemunhos de muitos doutos católicos, entre eles cardeais, bispos e teólogos, nos mostram que realmente tudo isso que surgiu após do Vaticano II é em si mesmo mau (os próprios documentos do concílio, missa nova, novo catecismo, novo direito canônico).

Além disso, sabemos que a Igreja é Infalível e Indefectível. Portanto não é possível que autoridades realmente católicas tenham promovido ideias que contrariam as mais básicas sentenças do catecismo.

Sendo assim este site se propõe (OBJETIVO I -) a demonstrar as verdades por trás das seguintes premissas:

I. Corrigindo erros:

A. Vaticano II é mau em si mesmo. Contra quem pensa que os erros são apenas aparentes.

B. A Missa nova é má em si mesma. Contra quem pensa que o problema da Missa Nova são apenas os abusos litúrgicos.

C. O Ecumenismo praticado pela Igreja do Vaticano II é mau e escandaloso, é apostasia pública e pecado mortal (conferir os encontros realizados na cidade de Assis, as inúmeras visitas as sinagogas e mesquitas, bênçãos conjuntas com protestantes e ortodoxos, participação ativa em falsos cultos, etc);

D. Outras Leis emanadas da Igreja do Vaticano II são más e levam ao erro. Contra quem pensa que os erros são apenas aparentes.

E. A Igreja Católica Apostólica Romana não pode:

    1. promulgar documentos maus (Vaticano II)
    2. dar leis más (missa nova, direito canônico novo)
    3. errar nas canonizações (JPII, Paulo VI, João XXIII)

(PARA CONCLUIR QUE)

F. As autoridades pós vaticano II são ilegítimas:

    1. Porque quem está fora da Igreja está inapto, por direito divino, e pela natureza mesma das coisas, para ter autoridade na Igreja
    2. E esse fato é perceptível pelo fato dessas falsas autoridades dispersarem para a Igreja aquilo que é impossível que as autoridades legítimas dispersem.

(OBJETIVO II -) Além de tentar fortalecer o conhecimento de verdades que hoje estão em franco esquecimento:

II. Dando a conhecer certas verdades

A. Deus, Cristo e a Religião Católica são verdadeiros e suas verdades são cognoscíveis para a razão humana. (contra o ecumenismo agnóstico do vaticano II)

B. Reinado Social de Nosso Senhor Jesus Cristo x Estado Laico

C. O católico não deve simplesmente acolher apenas o que a Igreja definiu como dogma, mas tudo que é proposto pela Igreja (em seu magistério ordinário, em sua disciplinas e em matérias que versam sobre os costumes) deve ser acolhido com confiança filial; Contra o Tradicionalismo que quer por si escolher quando deve obedecer o que a Igreja promulga